iPhone SE – Vale mesmo a pena?

A Apple acaba de lançar a segunda versão do iPhone SE, um smartphone de 499€. Mas será que vale mesmo a pena? Vamos contar-te tudo!

A Apple fez história quando em 2007 lançou o primeiro iPhone; desde esse momento, este mercado foi inundado por modelos cada vez mais potentes e recheados de funcionalidades, o que fez com que o smartphone se tornasse um objeto vital na vida de qualquer pessoa. Mas toda esta transformação vem com um custo e este tem vindo a aumentar a cada ano que passa.

Os primeiros smartphones, com tecnologia de ponta para a altura, vendiam-se entre os 500€ e os 600€. Em pouco mais de 10 anos, assistimos a uma evolução tão grande que, hoje em dia um smartphone de topo custa entre 1200€ e 1500€, como o caso do mais recente iPhone 11 Pro Max.

Se é verdade que hoje o smartphone representa muito mais do que um simples dispositivo para efetuar a receber chamadas e sms, é verdade também que muita gente não consegue acompanhar este mercado e ter sempre o modelo mais recente. A alternativa parece ser comprar um smartphone mais “fraquinho”, que em pouco tempo se torna obsoleto, ou comprar um em segunda mão, o que pode tornar-se um pesadelo pois não temos garantia nem sabemos qual o uso que o mesmo teve.

E a questão das baterias é sempre problemática pois todos nós sabemos como estas perdem capacidade rapidamente e muitas das vezes é esse o motivo que nos leva a comprar um novo.

É para este tipo de consumidor que surge o iPhone SE. À semelhança do que aconteceu em 2016 aquando do lançamento da primeira versão, este não é um equipamento topo de gama. Não tem as funcionalidades mais recentes. Ficam já avisados que não vão encontrar neste equipamento mais do que uma câmara, por isso se o objetivo é utilizar o iPhone SE para aquelas fotos que mais parecem tiradas por uma câmara SLR, então este não é para ti. Mas calma, o iPhone SE vem equipado com uma lenta traseira de 12MP capaz de fotografias de grande qualidade e vídeo até 4K em 60FPS. A câmara frontal (para as tuas selfies) tem 7MP e a qualidade também não fica nada atrás dos mais recentes modelos. Infelizmente, o modo “noite” não é suportado por este equipamento.

Mas o que realmente torna este iPhone especial, é o facto de ter no seu interior um processador A13 Bionic, o mais recente processador da Apple presente no iPhone 11. Algo que faz com que este smartphone seja extremamente rápido ao nível dos modelos de topo.

Em termos de design e dos restantes componentes, este iPhone não é mais do que um “clone” do iPhone 8. Já em 2016 a primeira versão do SE era um clone do 5S e demonstrou ser um equipamento bastante fiável e é ainda muito utilizado.

O que realmente o torna diferente neste momento em que para ter um bom smartphone é necessário desembolsar 700€ ou 800€, é mesmo o seu preço. Bastante convidativo para o que nos é oferecido dentro da “embalagem”.

É certo que existem outras marcas com modelos com características superiores e preço semelhante, no entanto para aqueles ávidos fãs da marca da maçã, este é o iPhone mais barato que a Apple lançou nos últimos anos.

Existe em vermelho, preto e branco e é possível escolher entre a versão de 64Gb (499€), 128Gb (549€) ou 256Gb (669€). Está disponível nas lojas habituais.

Resumidamente: se tens os bolsos grandes (tanto física como figurativamente), existem no mercado smartphones com características muitíssimo melhores, ecrãs bem maiores e com mais qualidade mas a preços também consideravelmente mais altos.

Se o orçamento é algo que te preocupa e não és muito exigente no que diz respeito às funcionalidades, então este modelo é para ti.

Imagem: katemangostar – Freepik e Apple

César Neves

Mais um igual aos outros. Tanto tem de bom moço como de mau feitio (se não acreditam, perguntem à esposa). Deixou crescer a barba para parecer mais velho mas apenas o confundem com o Rui Unas. Workaholic por excelência, dorme pouco e mal e adora comer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *