Berçário: Um bicho de 7 cabeças?

Chegou ou está a chegar a hora dele ir para o berçário? Não sabes o que acontece lá dentro? Vamos contar-te… 

Eles nascem, o mundo para e muda. De repente já não há mais trabalho que nos tire os olhos deles, nem compromisso que não nos faça pensar duas vezes. Depois chega o dia, aquele que é o de regresso ao trabalho e isso implica, para muitos, que se deixe o maior tesouro nas mãos de um outro, estranho, que nunca terá a capacidade de zelar por ele como nós.

A ansiedade vem, o medo impera. Dizem para se confiar mas não é possível que assim seja. Pelo menos na fase inicial. 

E depois um dia ele estende os braços com um sorriso para aquele cuidador e vai sem medos… Um dia nós percebemos que aquela pessoa nunca nos conseguirá substituir mas faz um excelente trabalho diário, um trabalho de qualidade que se reflete no rosto feliz do nosso filho.

Esse cuidador partilha com orgulho as mais pequenas conquistas, relata-nos os contratempos com uma expressão de impotência, sofre com as febres, as tosses e as maleitas dos nossos tesouros, como se filhos fossem.

Esse cuidador faz-nos perceber que aquela sala tem magia, tem um “pó de fada” que faz bebés felizes e acalma o coração dos pais.

Mas então de que se enche o berçário? 

Enche-se de amor, de melodias para adormecer, abraços para acalmar, de piruetas para convencer, de caras sérias (por pouco tempo) para chamar à atenção, de muito empenho para estimular, de olhos de lince para chegar a tempo e de olhos de coruja para observar. Enche-se de músicas, de colo, de carinho e de xi-corações, de gargalhadas e boa disposição, de voz calma e gritos estridentes de entusiasmo de quem o preenche.

Também se enche de choro porque se tem saudades, porque lhe foi tirada a mãe e o pai, tão contra natura, e de corações partidos porque nunca se consegue substituir a família.

Mas logo a seguir enche-se de felicidade porque chega o momento do dia de despedida daquele espaço, daqueles amigos e, pouco a pouco, a saudade de todas as pessoas que lá moram fazem regressar no dia seguinte sem medos, sem insegurança e com uma troca de olhares que nunca se substituirá.

E porquê?

Porque o berçário é gerido por profissionais competentes, pessoas que dão infinitos colos mas nunca deixarão de ter espaço no coração para mais um bebé. Porque é impossível não se ser assim quando o berçário acolhe seres tão puros, transparentes e genuínos como eles. E acolhe, na mesma medida, pais que também terão o colo dos profissionais e receberão amor, solidariedade e compreensão como os seus filhos.

De que é feito o berçário? De amor, de afeto, de cantinhos e momentos de alegria, preocupação e conquistas. O berçário é um sítio mágico, que não se compara com mais nenhum.

Patrícia Paulo

Educadora de Infância e Mãe de dois. Alia a experiência à formação e partilha o seu conhecimento com pais e profissionais. Utiliza a escrita como forma de os ajudar a tomar decisões e executar ações conscientes e informadas no âmbito da educação. Autora da página Le Petit Vi

3 thoughts on “Berçário: Um bicho de 7 cabeças?

  • Maio 30, 2020 at 2:01 pm
    Permalink

    Adorei ❤️❤️❤️👌

    Reply
  • Maio 30, 2020 at 11:53 pm
    Permalink

    Simplesmente verdadeiro.
    Um lugar mágico quando se trabalha com a alma e coração.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *