Costa Nova: a beleza da terra piscatória

Não é só nas redes e nas embarcações que se vê a arte dos pescadores, hoje rumamos até Ílhavo, no distrito de Aveiro para vos mostrar o colorido, a arquitetura e o simbolismo das casas da Costa Nova.

Caracterizada pelas casinhas das riscas de frente para o mar, a Costa Nova começou a ser habitada pelos pescadores no início do século XIX, com a abertura da nova barra do porto de Aveiro em 1808.

Por ser daqui que partiam para o mar, os pescadores construíram palheiros que serviam para guardar os seus materiais de pesca e que também eram usados como armazéns para a salga da sardinha.
De palheiros passaram a casas coloridas que eram construídas com tábuas dispostas sempre na mesma orientação e principalmente vermelhas.

A sua beleza transformou o local numa grande atração turística e se já em meados do século XIX, Eça de Queirós e Guerra Junqueiro passaram por estas praias, hoje são turistas de todo o mundo que por aqui passam e que tiram a fotografia da praxe nas casinhas das riscas.

Atualmente estes palheiros ganharam outra vida e são utilizados como habitação familiar, algumas principalmente em época balnear.

A Costa Nova é, sem dúvida, o lugar ideal para quem quer passar um fim de semana divertido e em comunhão com o mar e a natureza.

O que fazer por aqui?

– Caminhar e correr pelo passadiço.

– Praticar desportos aquáticos como canoagem, surf, etc.

– Nas praias de Mira e Vagueira podemos assistir a uma antiga arte de pesca artesanal onde as redes são puxadas por parelhas de bois, também conhecida por Arte Xávega.

– Jogar minigolf no Campo da Costa Nova, mesmo junto à marginal.

– Visitar o mercado de peixe onde podemos comprar sempre peixe fresco.

– Passeios de barco.

– Disfrutar de belos almoços e jantares nos restaurantes e marisqueiras que encontrámos ao longo de toda a marginal, etc.

E para terminar em pleno a visita, não podemos deixar de provar a melhor iguaria da região: as Tripas de Aveiro. As tripas de Aveiro são, nada mais nada menos do que uma bolacha americana mal cozida, ficam mesmo moles, são feitas num género de crepeira (específica) e podem levar o mais variadíssimo recheio (ovos moles, Kinder, Kit Kat, Maltesers, Nutella, etc.). Podem comprar a vossa em vários quiosques espalhados por toda a marginal.

Deixem-se encantar pela beleza e gastronomia da região e disfrutem de uns dias em pleno.
Vão ficar surpreendidos!

Alexandra Maia

Alexandra Maia, 31 anos, estudou psicologia mas a sua grande paixão é a fotografia. Em 2019 fez um curso de fotografia para aprofundar os seus conhecimentos e faz desta paixão o seu grande hobbie, viajando de máquina ao ombro e capturando todos os momentos. Partilha todas estas experiências no seu bloque pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *