Colesterol elevado? Saiba como prevenir

Ter o nível de colesterol elevado pode ter uma causa genética. A Blogazine explica-te!

A hipercolesterolemia familiar (FH), ou níveis elevados de colesterol total e LDL (o chamado “mau” colesterol), é uma das causas genéticas mais frequente da doença coronária prematura. Estima-se que existirão cerca de 35 milhões de pessoas com esta doença no mundo, nos quais 20 a 25% são crianças e adolescentes.

Colesterol elevado? Como prevenir?

Diagnosticar precocemente esta doença poderá ajudar a evitar eventos cardiovasculares.

A prevalência de FH é de 1 em cada 4 homens e 1 em cada 5 mulheres, com idades inferiores a 50 anos, e pode ser transmitida, em quase 50% dos casos, de pais para filhos.

Os indivíduos portadores de FH apresentam níveis de colesterol total (CT) e colesterol-LDL elevados desde a nascença, que se vão depositando nas artérias e nos tendões, o que dá origem a aterosclerose precoce.

A patologia deve-se à redução na capacidade hepática de remover as partículas de colesterol LDL do plasma e, consequentemente, na sua acumulação patológica e precoce, dando origem à disfunção arterial, inflamação e aterosclerose arterial em idade jovem.

Prevenção de doenças associadas

A antecipação do risco de doença cardio-cerebrovascular prematura e/ou eventos fatais inicia-se entre os 20 e os 40 anos, nos homens, e entre os 40 e os 60, nas mulheres.

A expressão clínica de FH é influenciada pelos estilos de vida, tais como:

– Dieta rica em ácidos gordos saturados;

– Tabagismo;

– Sedentarismo;

– Excesso de peso;

– Terapêuticas anticoncepcionais e hormonais;

– Pela presença de doenças crónicas.

Colesterol elevado? Como prevenir?

Como fazer o diagnóstico?

Antes de mais, é necessário saber se a pessoa em questão tem história familiar de hipercolesterolemia familiar ou não, e ainda avaliar os parâmetros bioquímicos, ou seja, a sua história pessoal.

O diagnóstico precoce da hipercolesterolemia permite a adoção de estilos de vida saudáveis, nomeadamente:

Evitar comportamentos de risco para doença cardio-cerebrovascular prematura;

Incentivar e implementar a atividade física regular;

Perda de peso:

Terapêuticas dietéticas e farmacológicas eficazes que modificam a mortalidade e a morbilidade desta doença hereditária.

Por isso, se tens um estilo de vida sedentário, uma alimentação desequilibrada em termos nutricionais e queres contrariar o surgimento desta doença, começa hoje a praticar exercício físico (com a ajuda de um profissional devidamente habilitado), faz uma caminhada ao ar livre.

Procura adotar uma alimentação equilibrada, dando primazia a frutas e hortícolas e reduzindo as gorduras saturadas. Começa a incluir na tua alimentação “gorduras boas”, como o salmão, atum, abacate ou até mesmo um quadrado de chocolate negro (com teor de cacau acima de 70%), mas SEMPRE com moderação nas quantidades ingeridas. Vais ver que o teu corpo agradece!

Já começaste a adotar algum destes hábitos?

Ricardo Rodrigues

Farmacêutico, pós-graduado em Dermatocosmetologia, autor do blogue "O Pinguim Sem Asas" e natural da cidade do Porto. Um apaixonado por cosméticos que acredita que toda a gente tem potencial para ter uma pele incrível e saudável!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *