Internet à escala mundial

Foram lançados, na terça-feira 17 de agosto, mais 58 satélites que compõem o projeto Starlink. Um desafio gigantesco que irá levar a internet aos quatro cantos do mundo. Mesmo os mais remotos. Será realidade ou ficção?

Da cabela de Elon Musk, CEO da Spacex e da mais conhecida Tesla, já esperamos que saiam as ideias mais arriscadas mas também as mais inovadoras. Este começou por revolucionar a forma como as pessoas passaram a fazer pagamentos online criando o tão famoso PayPal. Vendido em 2002 ao eBay por $1.5 Biliões, dos quais Musk recebeu 160 milhões, o que lhe permitiu começar a criar outros negócios, nomeadamente a Tesla que revolucionaria (e continua) o mercado automóvel com veículos 100% elétricos. Ao mesmo tempo, Musk dedicou-se a criar a Spacex. Uma empresa focado na exploração espacial e que certamente todos nós já ouvimos falar pois são comuns as notícias sobre os lançamentos para o espaço dos seus foguetões também eles revolucionários.

Como parte da Spacex, surgiu o projeto Starlink e é sobre isso que te queremos falar neste artigo. O projeto Starlink é uma ideia ambiciosa que pretende dotar todo o planeta de acesso à internet. Para isso, estão a ser colocados em órbita baixa (a cerca de 500km de altura) inúmeros satélites, que ao serem espalhados ao redor do globo irão permitir que o sinal de internet chegue até aos locais mais remotos, reduzindo assim a distância digital entre os povos.

Cada satélite Starlink pesa aproximadamente 227 kg e possui um design de painel plano que possui múltiplas antenas de alto rendimento e um único painel solar. Construídos com o baixo custo em mente mas a máxima performance, a Spacex prevê lançar em órbita 12 mil satélites, dos quais cerca de 600 já se encontram em órbita. Inicialmente a cobertura irá incidir sobre os EUA e o Canadá com previsão para cobrir mais áreas do planeta em 2021 e em 5 anos estarem os 12 mil satélites a funcionar em pleno.

No que diz respeito às velocidades, ainda não existe muita informação real, mas existem já alguns testes efetuados que indicam que o serviço da Starlink permite neste momento velocidades de download até 60mbps e um ping de 20ms. No entanto, a empresa revela que os satélites estão preparados (e que o objetivo é esse) para atingirem até 1Gbps, que é uma velocidade equiparada ao que o 5G irá permitir em breve em nossas casas e que os serviços de fibra ótica começam a disponibilizar.

A ideia de uma rede mundial de internet não é nova e vários foram já os projetos apresentados. O elevado custo das viagens espaciais fez com que algo desta magnitude fosse financeiramente inviável. Foi neste ponto que a Spacex se tornou também pioneira. Ao desenvolver veículos espaciais reutilizáveis, com consumos de combustível bastante mais eficientes que os seus antecessores, hoje em dia o lançamento de carga espacial custa uma fração do que acontecia há apenas 10 anos atrás.

Um projeto sem dúvida ambicioso e que já se tornou uma realidade. Por cá, continuaremos atentos a todas as mudanças que ocorrem neste mundo tecnológico para te podermos deixar sempre bem informado!

Não te esqueças, partilha com os teus amigos e deixa os teus comentários.

César Neves

Mais um igual aos outros. Tanto tem de bom moço como de mau feitio (se não acreditam, perguntem à esposa). Deixou crescer a barba para parecer mais velho mas apenas o confundem com o Rui Unas. Workaholic por excelência, dorme pouco e mal e adora comer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *